SEGUIDORES ESPIRITUALIZADOS

PG5 MEDIUNIDADE E SEUS CUIDADOS


1ª§ Como Eu me Preparo para Ver as Belezas do Céu? 


PSICOGRAFIA:  Data da publicação 12/08/2011 reeditado

Coríntios Capitulo 11/ Ver. 4 e 14


2ª§ Qual o Verdadeiro Motivo de se Buscar uma Iniciação Espiritual?
No meu houver Corpo de Luz - Erick; É ter a possibilidade de se buscar o conhecimento de "Si mesmo" como ser humano, de como somos feitos, nossa real estrutura, de onde viemos, e para onde vamos ao fim de uma existência. Qual a forma que nos da essa possibilidade de conhecer esses "Mistérios".


3ª§ O HOMEM OU MULHER PARA ENSINAR AS COISAS DO CÉU, TEM QUE TRANSCENDER A MATÉRIA.

Poi’s elude-se todos aqueles que consideram as coisas de modo terra-terra, e do ponto de vista material. Para apreciar a justeza, tem de velas do alto, isto é, do ponto de vista espiritual, Aquele, que esta de posse da verdadeira sabedoria, tem de isolar do corpo a Alma, para ver com os olhos do espírito, a grandeza do Criador.


4ª§ O QUE É MEDIUNIDADE?

Mediunidade é a faculdade humana pela qual se estabelecem as relações entre homens e espíritos. É uma faculdade natural, inerente a todo ser humano, por isso, não é privilégio de ninguém. Em diferentes graus e tipos, todos a possuímos. O que ocorre é que, em certos indivíduos mais sensíveis à influência espiritual, a mediunidade se apresenta de forma mais ostensiva, enquanto que, em outros, ela se manifesta em níveis mais sutis.

5ª§ A mediunidade é, pois, a faculdade natural que permite sentir e transmitir a influência dos espíritos, ensejando o intercâmbio e a comunicação entre o mundo físico e o espiritual. Trata-se de uma sintonia entre os encarnados (vivos) e os desencarnados (mortos), permitindo uma percepção de pensamentos, vontades e sentimentos. Na Umbanda como também no Espiritismo vê a me
diunidade como uma oportunidade de servir, de praticar a caridade, sendo uma benção de Deus que faculta manter o contato com a vida espiritual. Graças ao intercâmbio, podemos ter aqui não apenas a certeza da sobrevivência da vida após a morte, mas também o equilíbrio para resgatarmos com proficiência os “débitos”, ou seja, desajustes adquiridos em encarnações anteriores.

6ª§ É graças à mediunidade que o homem tem a antevisão de seu futuro espiritual e, ao mesmo tempo, o relato daqueles que o precederam na viagem de volta à erraticidade, trazendo informes de segurança, diretrizes de equilíbrio e a oportunidade de refazer o caminho pelas lições que absorve do contato mantido com os desencarnados. Assim, possui uma finalidade de alta importância, porque é graças a ela que o homem se conscientiza de suas responsabilidades de espírito imortal.

7ª§ Sendo inerente ao ser humano, a mediunidade pode aparecer em qualquer pessoa, independentemente da doutrina religiosa que abrace. A história revela grandes médiuns em todas as épocas e todos os credos. Além disso, a mediunidade não depende de lugar, idade, sexo ou condição social e moral.

8ª§ A ação dos espíritos;

Diz a questão 459 de O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec: “Os espíritos influem sobre nossos pensamentos e ações? A este respeito, sua influência é maior do que podeis imaginar. Muitas vezes, são eles que vos dirigem”.


9ª§ Missionários da Luz André Luiz; 


A. Por que os socorros magnéticos dispensados aos desencarnados são mais frutíferos?

R.: Os esforços são mais frutíferos no círculo dos desencarnados infelizes porque os encarnados, mesmo os que se interessam pela prática espírita, raramente se dispõem, com sinceridade real, ao aproveitamento dos valores da cooperação dos Espíritos. É muito lenta a transição entre a animalidade grosseira e a espiritualidade su
perior. Entre os homens há sempre um oceano de palavras e algumas gotas de ação. Ninguém, contudo, pode trair a lei impunemente, e, para subir, Espírito algum dispensará o esforço de si mesmo no aprimoramento íntimo. (Missionários da Luz, cap. 3, págs. 26 a 28.)

10ª§ B. A prática sexual pode interferir no desenvolvimento da função mediúnica?

R.: No caso do sexo atormentado, sim. A sede febril de prazeres inferiores produz bacilos psíquicos da tortura sexual. Na falta de terminologia própria, os Espíritos chamam-nos de larvas, larvas cultivadas não só pela incontinência no domínio das emoções próprias, através de experiências sexuais variadas, como também pelo contato com entidades grosseiras, afinadas com o indivíduo atormentado, as quais o visitam com freqüência, como imperceptíveisvampiros. O corpo físico é leve sombra do corpo perispiritual e a prudência, em matéria de sexo, é equilíbrio da vida. Muitos imaginam, erroneamente, que o sexo nada tem que ver com espiritualidade, como se esta não fosse a existência em si. Esse tem sido o erro de todos os religiosos que supõem a alma absolutamente separada do corpo, quando todas as manifestações psicofísicas se derivam da influenciação espiritual. (Obra citada, cap. 3, págs. 28 e 29.)

11ª§ C. A ingestão de álcool é compatível com a atividade mediúnica?

R.: É evidente que não. Além de todos os males conhecidos decorrentes do alcoolismo, a ingestão de álcool torna o indivíduo completamente desviado em seus centros de equilíbrio vital. O sistema endocrínico é atingido pela atuação tóxica. Inutilmente a medula trabalha para melhorar os valores da circulação e em vão esforçam-se os centros genitais para ordenar as funções que lhes estão afetas, porque o álcool excessivo determina modificações deprimentes na própria cromatina, substância existente no núcleo das células. A atividade mediúnica acarreta desgaste e, por isso, requer equilíbrio do corpo e da mente.(Obra citada, cap. 3, págs. 29 a 31.)

12ª§ D. A mediunidade é faculdade exclusiva dos chamados médiuns?

R.: Não. O Espiritismo cristão é a revivescência do Evangelho de Jesus, e a mediunidade constitui um de seus fundamentos vivos. Ela não é, porém, exclusiva dos chamados "médiuns". Todas as pessoas a possuem, porquanto significa recepção espiritual, que deve ser incentivada em nós mesmos. Não basta, porém, perceber; é imprescindível santificar essa faculdade, convertendo-a no ministério ativo do bem. A maioria dos candidatos ao desenvolvimento mediúnico não se dispõe, contudo, aos serviços preliminares de limpeza do vaso respectivo. Dividem a matéria e o espírito, localizando-os em campos opostos, quando os próprios Espíritos ainda não conseguiram identificar rigorosamente as fronteiras entre uma e outro. (Obra citada, cap. 3, págs. 32 a 34.) Texto para leitura

13ª§  Importância da renúncia - Segregando "unidades-força", a "epífise" é comparável a poderosa usina, que deve ser aproveitada e controlada no serviço de iluminação, refinamento e benefício da personalidade, e não relaxada em gasto excessivo do suprimento psíquico, nas emoções de baixa classe. Refocilar-se no charco das sensações inferiores é retê-la nas correntes tóxicas dos desvarios de natureza animal e, com o dispêndio excessivo de energias sutis, dificilmente consegue o homem levantar-se do mergulho terrível na
s sombras, mergulho que se prolonga além da morte corporal. É, pois, indispensável cuidar atentamente da economia de forças, no serviço honesto de desenvolvimento das faculdades superiores. Os materialistas, percebendo de longe tais realidades, fomentaram a prática do esporte no sentido de preservar a juventude, a plástica e a eugenia. Contra os perigos possíveis, na excessiva acumulação de forças nervosas, como são chamadas as secreções elétricas da epífise, aconselham os jovens a usar o remo, a bola, o salto, as corridas, preservando-se, desse modo, os valores orgânicos, legítimos e normais, para as funções da hereditariedade. A medida, embora satisfaça em parte, é, porém, incompleta e defeituosa, porque só visa ao corpo. É preciso preservar as energias psíquicas para engrandecimento do Espírito eterno. Jesus ensinou a virtude como esporte da alma. Daí a importância da renúncia e a grandeza da lei de elevação pelo sacrifício. O homem que pratica verdadeiramente
o bem, vive no seio de vibrações construtivas e santificantes da gratidão, da felicidade e da alegria. Não é isso simples teoria. É princípio científico, sem cuja aplicação não se liberta a alma viciada nas zonas mais baixas da Natureza. (Cap. 2, págs. 23 a 25)  

14ª§ Desenvolvimento mediúnico - Antes da chegada dos companheiros encarnados, já se fazia muito grande a movimentação na Casa espírita, onde socorros magnéticos eram dispensados a entidades sofredoras, ali reunidas em grande número. Os esforços eram mais frutíferos, porém, no círculo dos desencarnados infelizes, porquanto os encarnados, mesmo os que se i
nteressam pela prática espírita, raramente se dispõem, com sinceridade real, ao aproveitamento dos valores da cooperação dos Espíritos. É muito lenta a transição entre a animalidade grosseira e a espiritualidade superior. Entre os homens há sempre um oceano de palavras e algumas gotas de ação. As conversas entre os trabalhadores encarnados comprovavam essa tese. Um rapaz que tentava a psicografia já estava desanimado com a falta de mensagens. Uma senhora dizia sentir vibrações espirituais intensas junto dela, mas não passava das manifestações iniciais. Quando o diretor da reunião fez a prece, dezoito pessoas encarnadas estavam no recinto. Alexandre explicou, então, que quase todos eles confundiam poderes psíquicos com funções fisiológicas. Acreditando no mecanismo absoluto da realização, aguardavam o progresso eventual e problemático, esquecidos de que toda edificação da alma requer
disciplina, educação, esforço e perseverança. Mediunidade construtiva é a língua de fogo do Espírito Santo, luz divina para a qual é preciso conservar o pavio do amor cristão, o azeite da boa vontade pura. Sem a preparação necessária, a excursão mediúnica é, quase sempre, uma viagem nos círculos de sombra. Ninguém pode trair a lei impunemente, e, para subir, Espírito algum dispensará o esforço de si mesmo no aprimoramento íntimo. (Cap. 3, págs. 26 a 28)  

15ª§ Tormentos do sexo - André Luiz foi convidado a examinar o rapaz que tentava, sem êxito, a psicografia. Os núcleos glandulares
emitiam pálidas irradiações. A epífise semelhava-se a reduzida semente algo luminosa. No aparelho genital, as glândulas geradoras emitiam fraquíssima luminosidade, que parecia abafada por aluviões de corpúsculos negros, de extrema mobilidade. Desde a bexiga urinária, vibravam ao longo do cordão espermático, formando colônias compactas nas vesículas seminais, na próstata, nas
massas mucosas da uretra, invadiam os canais seminíferos e lutavam com as células sexuais, aniquilando-as. As mais vigorosas daquelas feras microscópicas situavam-se no epidídimo, onde absorviam, famélicas, os embriões delicados da vida orgânica. Pareciam imantados uns aos outros, na mesma faina de destruição. Eram bacilos psíquicos da tortura sexual, produzidos pela sede febril de prazeres inferiores. Os Espíritos, na falta de terminologia própria, chamam-nos de larvas, larvas essas cultivadas pelo rapaz, não apenas pela incontinência no domínio das emoções próprias, através de experiências sexuais variadas, como também pelo contato com entidades grosseiras, afinadas com suas predileções e que o visitavam com freqüência, como imperceptíveis vampiros. O rapaz, apesar de espírita iniciante, não sabia que o corpo físico é leve sombra do corpo perispiritual e que a prudência, em matéria de sexo, é equilíbrio da vida. Julgava que o sexo nada tem que ver com espiritualidade, como se esta não fosse a existência em si. Seu erro é o de todos os religiosos que supõem a alma absolutamente separada do corpo, quando todas as manifestações psicofísicas se derivam da influenciação espiritual. (Cap. 3, págs. 28 e 29)  

16ª§ Uso de alcoólicos - André examinou, em seguida, um cavalheiro já maduro que também tentava a psicografia. Havia nele um odor característico. A atmosfera em derredor do rosto não era agradável. Seu corpo parecia um tonel de cujo interior escapavam certos vapores muito leves, mas incessantes. Era visível sua dificuldade para sustentar o pensamento com relativa calma. O candidato a médium usava alcoólicos em quantidade regular. O ap
arelho gastrintestinal parecia ensopado em aguardente, porquanto essa substância invadia todos os escaninhos do estômago. O fígado estava enorme. Pequeninas figuras horripilantes postavam-se, vorazes, ao longo da veia porta, lutando desesperadamente com os elementos sangüíneos mais novos. A estrutura do órgão se mantinha alterada, com considerável aumento de volume. Alexandre explicou então que os alcoólicos aniquilavam aquele homem vagarosamente. Ele permanecia completamente desviado em seus centros de equilíbrio vital. Todo o sistema endocrínico fora atingido pela atuação tóxica. Inutilmente a medula trabalhava para melhorar os valores da circulação e em vão esforçavam-se os centros genitais para ordenar as funções que lhes estão afetas, porque o álcool excessivo determina modificações deprimentes na própria cromatina, substância existente no núcleo das células. Rins e pâncreas também sofriam a ação corrosiva do álcool. Larvas destruidoras exterminavam as células hepáticas e, não fossem as glândulas sudoríparas, talvez o homem já houvesse desencarnado. (Cap. 3, págs. 29 a 31)  

17§ A febre da gula - O exame recaía agora numa senhora simpática e idosa, candidata à mediunidade de incorporação. Fraquíssima luz emanava de sua organização mental e, desde o primeiro momento, notavam-se suas deformações físicas. O estômago estava dilatado horrivelmente e os intestinos pareciam sofrer estranhas alterações, a exemplo do fígado, consideravelmente aumentado e submetido a indefinível agitação. Anomalias de vulto alcançavam também desde o duodeno até à sigmóide. Aquilo não parecia ser um aparelho digestivo usual, mas, sim, um vasto alambique, cheio de pastas de carne e caldos gordurosos, cheirando a vinagre de condimentação ativa. Em grande zona do ventre superlotado de alimentos, viam-se muitos parasitos conhecidos, mas, além deles, havia outros corpúsculos semelhantes a lesmas voracíssimas que se agrupavam em grandes colônias, desde os músculos e as fibras do estômago até a válvula ileocecal. Os parasitos atacavam os sucos nutritivos, com assombroso potencial de destruição. Aquela mulher se excedia na alimentação. Descuidada de si mesma, caiu na glutonaria crassa, tornando-se presa de seres de baixa condição. (Cap. 3, págs. 31 e 32)  



18ª§ A questão da mediunidade - Diante desses quadros, pode-se avaliar a extensão das necessidades educativas na esfera terrestre. A mente encarnada engalanou-se com os valores intelectuais e fez o culto da razão pura, esquecendo que a razão humana precisa da luz divina. O homem comum percebe muito pouco e sente muito
menos. O Espiritismo cristão é a revivescência do Evangelho de Jesus, e a mediunidade constitui um de seus fundamentos vivos. Ela não é, porém, exclusiva dos chamados "médiuns". Todas as pessoas a possuem, porquanto significa recepção espiritual, que deve ser incentivada em nós mesmos, através de uma Iniciação verdadeira, Não basta, porém, perceber; é imprescindível santificar essa faculdade, convertendo-a no ministério ativo do bem. A maioria dos candidatos ao desenvolvimento mediúnico não se dispõe, contudo, aos serviços preliminares de limpeza do vaso respectivo. Dividem a matéria e o espírito, localizando-os em cam
pos opostos, quando os próprios Espíritos, estudantes da Verdade, ainda não conseguiram – segundo Alexandre – identificar rigorosamente as fronteiras entre uma e outro. Os Espíritos elevados não querem transformar o mundo em cemitério de tristeza. Atender a santificada missão do sexo, no seu plano respeitável, usar um aperitivo comum, fazer a boa refeição, de modo algum isso significa desvios espirituais; no entanto, os excessos representam desperdícios lamentáveis de força, que retêm a alma nos círculos inferiores. Não se pode cogitar de mediunidade construtiva, sem o equilíbrio construtivo dos aprendizes na sublime ciência do bem-viver. Os candidatos a médiuns devem co
mpreender que mediunidade elevada ou percepção edificante não constituem atividades mecânicas da personalidade e sim conquistas do Espírito, para cuja consecução não se pode prescindir das iniciações dolorosas, dos trabalhos necessários, com a auto-educação sistemática e 

perseverante. (Cap. 3, págs. 32 a 34)

OBS: É extremamente Importante, Que vocês Leiam a Matéria que esta Aqui Em Comentários sobre. Méium de Cura, Médium Passista, Médiuns de Desobsessão, Médiuns de Incorporação Ok. 













Ao Acabarem de ler essa psicografia? Sugiro a todos que leiam O Homem de bem - O que homem e a Mulher deveriam praticar na Terra, - As Verdades dos Seres Humanos na Terra e também Como se Processa as Penas dos Pecados que contraímos  Físico no Astral.

Se houver algum relato "Intimo" sugiro que me mande um Email, corpodeluzerick@gmail.com - serei sempre sua Alma Amiga.

 Blog de Auto Ajuda - "DIVULGUE" a um amigo e em seus países!!

3 comentários:

  1. DIFERENÇAS ENTRE MEDIUNS DE DESOBESSESSÃO E DE CURA

    APOMETRIA

    1º) O grupo de saúde trabalho pra tratar as lesões causadas no duplo, e reconstruir os danos deixados pela retirada de aparelhos ,recuperando as partes afetadas, com o auxilio dos elementais, dos cristais, dos índios e caboclos, bem como dos médicos espirituais que assistem os médiuns do grupo. Grupo de saúde não deve receber obsessores, não tem essa finalidade, por isso o paciente passa antes pela limpeza. Explicação necessária, sobre a diferença entre o médium de incorporação, e o de cura..
    • MEDIUM DE ENCORPORAÇÃO COM DESTINAÇÃO Á GRUPOS DE DESOBESSESSÃO – são médiuns que no passado foram bruxos, ou magos negros, e produziram uma energia densa e deletéria que ficou presa a nível de corpo astral, há duas maneiras de expurga-la via câncer (vide obras de Ramatis Fisiologia da Alma), ou em sucessivas incorporações de seres desse mesmo matiz, aonde durante o chamado
    CHOQUE ANIMICO, OU SEJA TEMPORÁRIAMENTE O CORPO ASTRAL DESSE SER RECEBE UM CHOQUE DO CORPO DO MÉDIUM , aonde o ser enfraquece e se torna suscetível a tratamento, e o médium por sua vez, desprende num processo análogo, como se uma fina casca de cebola dessa energia densa que lhe envolve o corpo astral e então por providencia divina os 2 seres são limpos de suas mazelas pretéritas, pelo advento da mediunidade. Esse médium possui uma capacidade de vidência e desdobramento mais acentuada e se afinizam muito com baixas frequências do Umbral, vales, etc, e sai do trabalho espiritual como se nada tivesse acontecido, é por natureza carnívoro, mais agressivo, líder, um soldado do astral, e geralmente foram militares no passado,são muito vaidosos, como foram grandes magos ainda mantem suas características, mas hoje trabalham pro Cristo, eu geralmente gosto muito de trabalhar com esses médiuns, mas mantenho a rede bem curta, afinal fui também, um general romano, e mago negro, sei como somos, e aonde caímos sempre, na vaidade, se bem treinados, formam equipes eficientíssimas. (Trabalho realizado por Deise Zanini)

    ResponderExcluir
  2. 2º) MEDIUM DE CURA- esse pode ter sido bruxa, bruxo, mago, encorpora normalmente, mas veio mais com essa capacidade de incorporação para receber seus mentores, embora possa incorporar qualquer ser,pode ter feito muito mal em magia causando doenças no passando , mas pode nunca ter se envolvido em magia negra, apenas tem uma capacidade de manipular certas energias em prol da saúde, nem sempre temos que ter sido bandidos pra sermos médiuns, a mediunidade é uma escolha de processo evolutivo, exemplo, se negar de trabalhar numa vida de medicina, gera carma... isso pode ser ressarcido numa vida de médium de cura, que terá um perfil mais sutil, com personalidade mais delicada, as vezes não gostando de comer alimentação carnívora (não é regra ), mas em geral são pessoas que não tem uma estrutura psicobiofisica típica de trabalho na desobsessão, o que lhes acarreta, doenças causadas por rasgos na tela budica, pois como são de contextura eletromagnética mais sutil se deixarmos eles descerem no umbral, eles ficam presos nos vales, e não conseguem mais sair, começar a dormir muito, ter frio, baixa de imunidade, tristezas, depressões, anemias, alternâncias de humor, as ites inflamatórias características dos IMUNODEPRIMIDOS..Eles possui muita vitalidade gerada pelo chackra esplênico, como ectoplasma, o que lhes confere uma aura laranja, então virão alvo de vampirizarão se forem pra salas de desobsessão.O dirigente de cada grupo tem obrigação de averiguar cada médium durante o trabalho para ver como ele reage, e avaliar se ele é um médium de desobsessão ou de cura, e se não houver grupo na casa, é simples crie um, uma maca 3,ou 4 médiuns deite o paciente e imponham as mãos por 10 a 15 minutos em 3 atendimentos semanais , pronto seu paciente de apometria será atendido por mentores de saúde, estudem inovem, se descubram e deem chance as diferenças de cada médium e cada mentor que chegar na casa.

    __SEPARAÇÃO DOS GRUPOS DE SAÚDE;

    ---INDIOS E CABOCLOS E XAMÂS : trabalham, limpando as energias mais densas, por terem grande capacidade de manipular as energias ligadas ao físico, desobstruindo canais energéticos, dissolvendo cristalizações energéticas, e mentais do paciente, ou absorvidas do meio.Tratam de doenças infecto-contagiosas,alergias, dermatológicas, causadas por energias grosseiras que aderem ao físico, receitam banhos de descarrego, chás, tinturas e remédios fitoterápicos.Ao terminar fechar o paciente em um colchão de folhas curativas( estudar as plantas e suas funções)Os médiuns desse grupo nunca devem ficar em mais que 3, um do elemento terra nos pés, de fogo no abdômen, e um de água ou ar na cabeça. Se houver mais de 3 separar em mais grupos, ou uma turma trabalha 1 hora e outra turma trabalha na hora seguinte.

    __MÉDICOS DO ASTRAL SUPERIOR ACOPLADOS AO MÉDIUM: Tratam mais do duplo, esse médium se consciente deve ter o mínimo de conhecimento anatômico, para entender o que faz e porque faz, , trabalha com a dialimetria , e trata especificamente de doenças, deve trabalhar em local separado, e protegido como se fosse em um bloco cirúrgico aonde normalmente seus mentores instalam equipamentos para serem usados nos procedimentos cirúrgicos , podem usar cristais e não devem ser usados como procedimentos corriqueiros por desgastar demasiadamente o médium que doa seu ectoplasma de cura para o paciente, pondo-o em risco de adoecer por desgaste energético desnecessário. Tratam de doenças físicas já instaladas, mas que reagem as medicações convencionais ,devem ser acompanhados por homeopatias espíritas, para debelar a doença, prescreve homeopatias e tinturas, e jamais suspende medicação do médico da terra.( ao terminar cria bolsa de energias curativas, e remédios em forma de vapor que serão absorvidos pelo paciente no decorrer da semana , com 14 pulsos).

    ResponderExcluir
  3. 3º) EQUILIBRADORES ENERGÉTICOS (grupos de cristal) Normalmente são magos que trabalham mais a nível de corpo astral e mental inferior, reconstruindo regiões lesadas para evitar que cheguem ao duplo causando doenças, trabalham as emoções mal direcionadas os expurgos mentais deletérios do mental inferior, são um grupo de trabalho formados por médiuns de energia mais sutil , (foram em sua grande maioria, grandes manipuladores energéticos em ATLANTIDA, e trazem um conhecimento nato para manipular essas energias, não devem se misturar, com energias mais pesadas, como acontece com os médicos e nem atender mais que 5 pacientes por vez, tratam mais de doenças neurológicas, câncer(depois do paciente limpos pelo grupo de magia) indicam florais e água de cristais específicos, devem ter conhecimento em anatomia, e meridianos para desobstruir canais energéticos e chackras, ao terminar fecha o paciente em pirâmide de cristal especifica para seu caso,
    (estudar a função dos cristais).
    O REYKI, É ALTAMENTE EFICAZ PRA SER USADO NO FECHAMENTO DE CIRURGIAS ASTRAIS , MAS NÃO É TÉCNICA DE LIMPEZA, É ENERGIA DE CURA PURA, SE USA NO FINAL DOS PROCEDIMENTOS.
    Lembrar que sempre no final do trabalho cada médium toma um copo de 200 ml repositor eletrolíco, que a casa deve fornecer, para o desgaste que teve durante o trabalho. Se sentir necessidade, também pedir um flanconete de Forten (encontrados em qualquer farmácias, são aminoácidos, e sais minerais). Para no dia seguinte não acordarem exaustos, e durante a semana médium de cura comer 300 gramas de nozes ou castanhas, de incorporação, bife de fígado (fornecedor de ectoplasma), me perdoe Ramatis e aos vegetarianos, mas médiuns de encorporação que fazem isso com muita frequencia só se recompoe comendo bifes de figado bovino.
    Mas nesse caso vou citar uma maxima do Cristo que dizia que o mal não era o que entrava pela boca,mas o que sai.......(Trabalho realizado por Deise Zanini)

    ResponderExcluir

DEIXE SEUS COMENTARIOS